quinta-feira, outubro 05, 2006

El toro


Nem sequer foi por uma questão de língua. Entendemo-nos perfeitamente e a dele era bastante acessível.
Também não me parece que as estocadas tivessem sido desperdiçadas; diziam que ele empregava quanta força tinha e o ferro nem dobrava, ia direitinho ao alvo à espera dos aplausos. Até me babei com a descrição.
Fui em corrida quando soube que ele bandarilhava pelos dois lados, como manda a tradição, após o duro castigo das varas. Gosto de castigos à antiga portuguesa, daqueles que nos fazem garbosas depois de apreciarmos o instinto e a força de alguém que vibra quando irrompe naquele espaço redondo.
E foi assim que entrei nesta lide.
Vi-o, pois, ajustar a taleguilla e colocar-se em posição, perfilando-se para a luta. Dizia que aquele trabalho exigia uma entrega total e que antes, dado o perigo iminente, tinha de dedicar uma oração à Virgem. Nessa parte da conversa tive uma vontadinha de rir que nem imaginam, mas contive-me, não fosse o “Chico” pensar que eu era descrente.
Falou em capote, o que me deixou bastante tranquila. Normalmente ninguém liga muito a esse pequeno acessório, mas gostei que ele tivesse demonstrado a sua nobreza com essa sugestão.
E lá estava ele, baloiçando o corpo num vai vem constante, de mãos nas ilhargas.
Depois destes preliminares benzeu-se e atirou o corpo todo de uma vez, exibindo a arte de fazer frente à fera, dizia ele. E eu a aguçar as garras...
... enquanto ele se ficava assim… dizendo umas coisas estranhas:
“Con siete años me enfrenté a un becerro y a los nueve debuté en público. Y ya me di cuenta de que me gustaba realmente”.
- Valha-me a santíssima Macarena! - pensei eu - que coisa é esta que me saíu na rifa. Bezerros? Aos sete anos?
Depois perguntou-me se eu gostava de actuações com muleta.
Então ... depois da promessa do tércio de varas e bandarilhas ... vem-me falar de muletas?
Entrei eu nesta lide para ficar apeada?
Bravura, meu caro! Só se for na ponta dos cornos!

12 comentários:

Albatroz2 disse...

Sempre achei as touradas de uma crueldade extrema.
Não me parece que os toureiros sejam pessoas normais.
Cuidado para n te espetarem as bandarilhas ou lá como se chamam aquelas farpas

Ines disse...

Ai estas promessas...
Fantasia não te falta!!!!
E albatroz2, quanto às bandarilhas...

:-)

Bastet disse...

Ora, lá diz o ditado... de Espanha nem bom vento... Pobre Fausta! Um beijo minha amiga!

Fatyly disse...

Todos que lidam touros deviam ficar nas suas pontas. Apeada? joga pelo seguro:):)
Gostei dos pormenores do texto sobretudo a oração à Virgem, que como se diz na minha terra vixxe maria há com cada maluco!
Bom fim de semana

Fausta Paixão disse...

... mas não me digam, caros amigos, que não ilustrei bem a coisa!
Nas pontas... é isso, Fatyly, nas pontas, assim pelo traseiro!
E bastet... homens destes, é deixá-los ir ... com a ponta da mãe às costas!

Bastet disse...

É isso amiga! Deixá-los ir que nunca é tarde para se mandar fora o que não presta ;)

mfc disse...

Vês o que dá meteres-te com tipos de calças justas??!!

Mac Adriano disse...

Agora meteste-te com um toureiro? Não sabias que esses preferem cornos de boi? Ai, melher, que andas cada vez mais longe...

Fatyly disse...

ahhhhhhh pois é nas pontas:):):):):)

mixtu disse...

e olha lá... ainda não compreendes os homens...
yayayaya

besitos

ivamarle disse...

se calhar de pende de quem serão os cornos, não?

ivamarle disse...

eu queria escrever: depende